domingo, 10 de novembro de 2013

Pelo direito de ser puta


Eu sei que faz um tempinho que tudo isso aconteçeu mas só agora me deu vontade de escrever sobre isso. Só para deixar claro, eu não sou fã da Miley Cyrus, eu assistia sim Hanna Montana num passado distante 6 anos atrás. Não me xinguem antes de terminar de ler e não digam que eu estou defendendo a putaria, okay!

Quando Madonna surgiu nos anos 80, vestida de noiva e dizendo que sim, a mulheres também podem querer só se divertir, cantando "Like a Virgin" nas rádios, senhoras ficaram vermelhas de vergonha e as  organizações familiares e religiosas cairam matando em cima dela por considerarem que ela estava acabando com a moral dessas instituições e levando boas moças a agirem de forma errada. Hoje ela é considerada um dos principais nomes do feminismo real, que deixa as mulheres agirem como bem entendem e não se tornarem escravas de mais uma instituição.

Okay, vamos deixar bem claro que eu não estou comparando a música da Madonna com a de Miley Cyrus e sim as atitudes. Miley tem a mesma idade que Madonna tinha quando surgiu no cenário musical indo contra todas as correntes éticas e morais da época e causando horrores. Nos primeiros anos, quem gostava dela era considerado brega e puta e seu nome era tabu na sociedade. Dá pra sentir uma semelhança com o presente ai.

A maioria das pessoas com quem conversei sobre isso se sentiram repudiados e envergonhados com a apresentação de Miley Cyrus no VMA 2013, bom, um ponto a mais para a odiada do momento. Ela conseguiu o que queria, chamou a atenção e causou sentimento de revolta nos telespectadores. E era exatamente disso que o mundo do entretenimento, feminista e social precisava. Um choque para mudar um pouquinho suas bases.

Quando se trata de artista mulheres o mundo do entretenimento se funde ao do feminismo. Cantoras que usam sai curta e falam muito sobre sexo são putas, não são levadas a sério e são consideradas apenas mais uma vítima desse mundo cruel que as aprisionam e as transformam em escravas. As que usam saias compridas e só falam daquele amor espiritual são exemplos a serem seguidos pela sociedade. Já está mais do que na hora dessas estruturas mudarem.

Ai é que entra a nova Miley Cyrus. Tudo bem que ela está fazendo pra chamar a atenção, mas se as pessoas tentassem enxergar um pouco mais a fundo veriam que tem muito sobre liberdade (sexual) da mulher em todas as recentes atitudes dela. Por isso o título do texto não é sobre deixar que as mulheres sejam putas se elas quiserem. É sobre  parar de achar que elas o são só porque não estão em um namoro de cinco anos e agora decidiram falar abertamente sobre sexo.

Os valores da sociedade estão mudando sim, porque é preciso. Sendo fã ou não da Miley Cyrus há de se concordar que ela deu um grito de independência digno e que você está morrendo de vontade de fazer o mesmo. 


18 comentários:

  1. O bom e velho "deixem as mulheres em paz pq o século XII já acabou faz um tempo, não?" rs...

    Nos primeiros anos de faculdade (fiz História), li um livro pra um trabalho de Idade Média, chamado "Eva e os Padres" - Georges Duby, que eu souperecomendo... - o livro fala de como a Igreja no século XII ou XIII fez com que a imagem da mulher fosse diabolizada. Óquei, entendo contextos, embora não defenda, mas é mto escroto pensar que ainda pensamos da mesma forma, sim, eu disse DA MESMA FORMA, que nos moldaram a pensar naquele momento.
    É bizarro pensar que as pessoas tem preguiça de refletir e mudar pontos de vista. Trabalho com adolescentes e estou sempre colocando esse tipo de assunto em pauta e pasme, escuto de meninas de 13 anos: "Mulher bebendo é feio". O jovem reproduz discursos, perpetua machismos e outras ideologias absurdas e nos deixa preso numa sociedade com cabeça de século XII, infelizmente!

    Não conheço a moça em questão, mas sei mto bem o que a madonna fez pra mexer e abalar com o moralismo e o decoro de toda uma geração, e por vezes encontramos figuras que usam sim da sua liberdade sem se importar com os outros e\ou até fazem coisas pra chocar essas estruturas...
    Bem legal essa reflexão, só fazendo as pessoas se incomodarem é que se pode mudar algo!!
    Que seja puta quem quiser!!! \O
    hauahuahau falei pra caralho hahahaha, mals! Me empolgo qdo o assunto é feminismo, tenho críticas e mais criticas na ponta da lingua sobre o assunto hehehehe

    bjooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Raquel, não diga isso, seu comentário não tá grande não, ele está construitivo. E eu super concordo com vocÊ, a forma como a mulher é tratada e vista ainda é a MESMA desde a idade média. Essa história de feminismo do século XXI é tudo uma grande bobagem, o feminismo é mais um meio de prender a mulher. Porque elas pedem coisas absrudas que não mudarão em absolutamente nada nossas vidas. Dividir a conta ? Foda-se. Vou te mandar um link de um protesto feminista na Suiíça que foi o único até agora que achei foi bem planejado e com total sentido.
      Beijos
      Amanda Torres

      Excluir
    2. é o que eu falo para as minhas amigas militantes feministas, q elas dizem que são e pedem coisas que acho q são tão surreais e que eu ,sem me dizer feminista, simplesmente faço. A prática é o melhor ativismo, sem encher o saco de ninguém, faça o q tiver vontade, independente do que os outros vão pensar, e os q pensam como vc (homens e mulheres) vão ficar por perto e achar coisas q os conservadores acham absurdo, coisas absolutamente normais... pois é!!!!

      Manda sim :)

      Excluir
  2. Esse post foi simplesmente F-A-N-T-Á-S-T-I-C-O. Você está certíssima. O problema do ser humano é que ele se incomoda com o que as outras pessoas fazem. O que a Miley Cyrus faz ou deixa de fazer, é problema dela. Um cara cantar uma música falando de sexo e quase aparecer pelado em um videoclip é lindo, mas uma mulher fazer isso é puta. Sinceramente, espero realmente que o que Miley está fazendo abale bastante as estruturas do patriarcado.

    ResponderExcluir
  3. "As pessoas tem o direito de fazer o que bem entende."
    Sendo homem, não consigo sentir esse sentimento de inferioridade uxória, ou das mulheres em geral, mas compreendo e aceito. Sinceramente, não consigo ter uma opinião crítica do feminismo, alguém poderia responder um (de muitos) dos meus questionamentos: Eu (homem), querer pagar, proteger, e cuidar da companheira, é ser considerado machista?

    Que venha a liberdade a todos os sexos. Mas meu maior medo é que o futuro do mundo seja o a poligamia escancarada. '-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho medo de falar nesse assunto, pois algumas são muito agressivas ao compreender erroneamente. To reforçando novamente aqui que só quero compreender, neutralmente.

      Excluir
    2. Oi Caetano, pode falar a vontade hahah eu também não compreendo o feminismo ( isso porque sou mulher hein) Sua opinião é super bem vinda, independete do que os outros achem.
      Amanda Torres

      Excluir
  4. Quando assisti pela primeira vez o show do Miley no VMA, eu disse: que vadia!
    Fiquei pensando em como ela era legal como Hanna (é, eu também assistia e gostava muito). Fiquei com raiva do que ela fez consigo mesmo, acabou destruindo uma imagem tão boazinha.
    E esses dias eu estava assistindo uns clipes em um canal aí, aí começou a passar um clipe (que não lembro o nome da música agora) da Miley (é um em que ela destrói as paredes de um cômodo. E eu mudei completamente de ideia em relação a ela, agora até admiro ela. Todo mundo teria medo de mostrar quem realmente é, mas ela simplesmente age como uma vadia e não está ligando para o que a sociedade - a gente- diz sobre seu comportamento. Ela está sendo tão livre em ser daquele, a gente fala o tempo inteiro que a pessoa tem que ser livre para ser feliz, mas, quando alguém decide ser...
    Não sou fã dela, só gosto muito dessa liberdade (mesmo que talvez seja falsa) ela passa.
    http://doisquintos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. eu confesso que achei muito chocante o primeiro vídeo "diferente" da Miley, aquele que ela tá numa jaula e tals... isso tudo porque eu tinha na minha cabeça (e ainda tenho) uma Hanna Montana de peruca loira cantando 'de béeees ofuó worrrldddd', mesmo tendo visto poucos episódios da série.

    tá, isso passou, e de repente, ela chega arrebentando totalmente, num estilo muuuito diferente do que eu costumava ligar a ela e isso me assustou. tipo "caraca, essa é a Hanna Montana?"

    é como a Sandy, sabe... devem pensar que até hoje ela é virgem, sendo que está casada há mo tempão e já vai fazer 30 anos.

    mas chamar de puta já é demais, né? ficar assustado de primeira com a diferença de estilo é uma coisa, mas ofender a menina é outra.
    e isso só tá acontecendo porque ela é e sempre vai ser a Hanna Montana. se ela tivesse surgido assim, não teria essa fama chata que tão dando pra ela.

    lady gaga já fez muito "pior" e o povo meio que acostumou.

    viva o/

    www.pe-dri-nha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Defendo totalmente o jeito da Miley de se expressar como quiser, poréeeem ouvi de muitas pessoas americanas que as apresentações dela andam sendo bastante racistas, pelo o que entendi - nào sou americana, então não entendo totalmente das especificidades da cultura deles - "twerking" (o nome dessa dança que ela faz) faz parte da cultura afro-americana e ela utilizar e meio que satirizar é considerado ofensivo e apropriação cultural. Além disso, também ouvi que ela disse várias coisas transfórbicas e tal. A partir do momento que ela começa a falar essas coisas (apesar de que eu mesma não tenha visto pessoalmente o que ela disse, vi de fontes bastante confiáveis), retiro qualquer apoio meu a ela.
    Ainda assim, sei que a maior parte das pessoas estão julgando-a por motivos machistas e não pelos o que eu mencionei a cima, aí não dá né
    xx
    Flávia - http://hangoverat16.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Confesso que eu ainda não havia parado para pensar sobre a Miley. Eu a vejo apenas como uma "adolescente rebelde" que precisa de atenção. Mas concordo que essa atitude dela pode ser de extrema importância na transição de conceitos da sociedade atual. E é, ok, tudo bem.
    Brindemos então pelo "direito de ser puta". rs

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Concordo em tudo o que você disse nesse post. Nem cheguei a comentar direito lá no meu blog sobre a apresentação da Miley até porque só iria ter a palavra "adorei adorei adorei" inúmeras vezes, porque eu simplesmente adorei. E sabe por quê? Porque ela se divertiu e não ligou para o que o público estava achando ou deixando de achar. Não é porque ela é mulher (porque sim ela é uma mulher e não mais a adolescente Hannah) que não deve rebolar ou ficar de "biquini" em uma apresentação, afinal a apresentação é dela e ela faz o que ela quiser. E se ninguém sabe, isso tudo faz parte da arte que compõe a música e as apresentações. Isso foi a forma que ela achou para se divertir, não é atoa que ela passa a maioria dos finais de semana, deitada com o cachorro dela (e eu sei disso porque a vejo postando no Instagram e tal), se ela quisesse realmente chamar a atenção, ela iria sair para várias boates e se meter em grandes escândalos fora da música e do palco. Enfim, parabéns pelo post!

    xx,
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  10. Concordo com tudo. Principalmente com a ideia de que homens que falam de sexo são garanhões enquanto mulheres são putas. Madonna realmente revolucionou tudo isso. Quanto á Miley, nós já vimos coisas muito piores de que isso, né? Pelo amor de Deus! Acho o único fato de todo estar chocado com a sua performance, é por que todos estamos acostumados com a Miley em forma de Hannah. Se fosse outra qualquer, acho que as pessoas não se surpreenderiam assim.
    cronicasdeumlunatico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Falou tudoooo ! O mundo inteiro deveria ler isso . A sociedade é muito hipócrita e só sabe julgar. Deixa as pessoas serem do jeito que elas quiserem.
    http://blog-moorena.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Assisti Hannah tambem e era engraçado. Mas não curto muito este momento atual da Miley. Contudo, não a julgo. Fico indiferente ao jeito dela, no sentido de que a respeito e porque, enquanto ela não estiver fazendo mal a ninguém, ela pode fazer o que quiser da sua vida. Está no seu direito. Então, que ela seja e viva do jeito que quer. Posso não curtir, mas isso não significa que eu a odeie, ou não goste dela. E defenderei a liberdade dela. Desejo que ela seja feliz.

    :)

    ResponderExcluir
  13. Vou te confessar que não sou fã da Miley. E que achei as ações dela exageradas. O problema é que ela mudou completamente. Foi estranho. Se foi um grito de liberdade? Foi. Se foi necessário? Talvez, pra alavancar a carreira dela. Você a comparou com a Madonna. Acho que ainda falta comer muito feijão pra chegar lá, mas tá no caminho :'). Sobre o fato da liberdade: Estava eu, recentemente, ouvindo a discografia da Christina Aguilera e me deparo com um álbum (justamente o posterior à fase "menina que só quer um rapaz que saiba como tratá-la") com uma linguagem totalmente diferente. Até a coloração do cabelo mudou. Numa das letras ela chama a si mesma de puta. É estranho pra mim (mas, ok). Eu não sei que tipo de contrato essas cantoras tinham antes, porém, assim que pegaram sua liberdade de volta, mostraram o que são ~de verdade. É bom por esse lado. No geralzão (em minha humilde opinião), gostaria de não viver numa sociedade tão pudica. :T
    ミ Emilie Escreve ミ @hisakurasan

    ResponderExcluir