quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Tôu indo embora pra voltar mais tarde

O blog vai ficar fechado durante as duas próximas semanas. Vamos ver se eu consigo dar um jeito nisso daqui pra ele chegar bonitinho em 2014, né.
Caso eu consiga, nos vemos ano que vem com novidades. Caso eu não consiga, bom, vai ser um problema para nós dois.
Enquanto isso, Feliz ano novo para todo mundo. Comentem o texto ai de baixo e continuem acompanhando as peripécias de Amanda pelo Twitter @torresaamanda

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Gente que passou em 2O13


Acabei de ler que a prova da  Fuvest é semana que vem e quase surtei. Tenho uma semana para estudar e cinco dias para me despedir dos meus amigos. Essa gente de cursinho sobre quem eu escrevi mês passado. Eu sei, reclamei o ano inteiro que queria ir embora e agora que as malas estão prontas eu estou pedindo só mais uns minutinhos para ficar.

Tem esse garoto que eu conheci esse ano - que sentava do meu lado e olhava sarcasticamente pra mim sempre o professor de química fazia alguma coisa idiota - que disse uma vez que nós eramos a galera mais alternativa da sala, os estranhos. Eu ri daquilo, porque foi a primeira vez que eu não me importei de falarem que eu era estranha. Porque eu provavelmente sou. E todo mundo que eu conheci esse ano também é.

Tinha mais gente. A garota de cabelo roxo, o hipster e a moça das tatuagens. A gente se juntava pra falar mal dos outros. É verdade, era puro recalque porque eles estudavam e iam passar na faculdade e a gente não. E a gente dava o maior apoio moral um pro outro." Pelo menos você não é a única sem futuro" ou "Relaxa, ninguém aqui vai passar". Eu nem ligava de ir para as aulas de noite, porque nesse meio tempo eu ia comer pastel com eles.  Foi um bom ano de estudos.

E a filha da professora que esteve por perto durante anos e só agora apareceu, pra gente descobrir que tinha muito em comum. Ela não era estranha não . Eu ainda nem sei como nós somos amigas. Eu só sei que nós somos e me faz bem. Tem mais duas que são normais e que me diziam para eu tomar cuidados com os tornados da vida. Eu deveria ter escutado vocês. 

Tem ainda uma galera com quem eu fiquei bêbada que dá pra imaginar que eu não me lembro muito bem. Meu instrutor da auto escola que eu tenho certeza que manda benzer o carro todo dia antes de ter aula comigo. O professor de inglês que me dá dicas de marketing. As moças da padaria que toda vez que me veem perguntam como anda a faculdade. O amigo de quem eu gosto muito apesar de dizer que eu reclamo demais dos outros.

Ano passado eu desejei que meu 2O13 tivesse muitas pessoas. E teve. E quanta gente. Acho que foi meu tio quem me disse que quando nós somos jovens, nos esquecemos de que as coisas passam. As pessoas passam, a tristeza passa, até no vestibular a gente passa. Então, tomara que essas pessoas não passem, mesmo as estranhas e bipolares, tomara que elas fiquem mais um pouco. Se tiverem que ir, tudo bem também. Pelo menos elas estiveram aqui por um tempo.

E me conta, quem passou pela sua vida em 2O13?

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Essa história de virar mulher



Eu tinha 11 anos. E só o que eu conseguia pensar é : garotas de 11 anos não deveriam menstruar. Isso deveria acontecer lá pelos 35 anos e acabar nos 4O. Na verdade eu ainda penso assim, mas né, a vida vai passando e a gente aprende a conviver com certos desconfortos. Bom, eu tinha 11 anos e era meu primeiro ano na escola nova. Eu não conhecia ninguém, não falava com ninguém e fim. Era essa minha vida. 

Era aula de história, com o professor-palhaço, que devia ser uma das poucas pessoas naquela escola que aparentavam gostar de mim.  E aconteceu aquilo que toda garota espera ansiosamente que aconteça  no meio da aula. É. Aquela sensaçãozinha de que eu estava fazendo xixi quente. Eu pensei " Vou esperar até dar o sinal e todo mundo descer para o pátio e ver o que eu posso fazer." 

Eis que o professor decide mudar todo mundo de lugar. E a primeira a ser mudada foi .... eu. Ótimo, palhaçado. Fui saindo da cadeira sem me desencostar dela. O que me faz pensar que para quem estava olhando de fora parecia que eu estava limpando a cadeira ou algo do tipo, o que ,na verdade, estava acontecendo. 

Óbvio que quando  me levantei a mesa verde já não era lá tão verde. Foi horrível. O professor perguntou se estava tudo bem e eu tive vontade de socar a cara dele e gritar que " NÃO, SEU IMBECIL, NÃO TÁ TUDO BEM".

Bom, o que aconteceu foi que umas garotas, duma turminha que por um acaso eu odiava, se uniram e me ajudaram a sair daquela situação. Enquanto minhas amigas, bom, acho que elas nem entenderam direito o que estava acontecendo. No final das contas eu não queria mais voltar pra escola e tinha chegado a conclusão de que meus futuros filhos já me devem muito, porque os sufocos que as mulheres passam para que eles possam nascer, é indescritível. E é claro, eu tinha descoberto que elas podem ser chatas e metidas, mas as mulheres que se ajudam, vivem bem melhor.

E você, essa história de virar mulher já te fez pagar algum mico ? Qual foi o primeiro grande mico que você pagou na vida ?

#História criada para o projeto Primeiras Vezes. O tema dessa semana foi :"Meu primeiro mico". A Suzi e a Taysa também escreveram sobre o primeiro mico delas, dá uma olhada .

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Gente que passa igual furacão



Dia desses passou um furacão lá em casa. Só lá em casa não. Na vida inteira. Tinha cabelos tão loiros que ficavam brancos no sol e olhos verdes que viviam me desfazendo quando paravam em mim. Ele passou e quando saiu pela porta  pensei " Porra, que bagunça você fez." A vida estava um caos. Ele veio com a força  dos furacões  no oeste dos Estados Unidos. Certeza que foi o mesmo que devastou o Haiti. Igualzinho ele fez comigo.

Eu tenho uma amiga que sempre dizia que aqueles ventos eram estranhos, que uma hora virariam tornados e destruiriam tudo. Eu nem ligava. Ficava pensando que era puro recalque. Imagina só, não era. Hoje, fico sentindo falta de quando ele ainda era traquilo e só ficava por perto fazendo piadas dos outros e jogando no ar pensamentos sem sentido sobre pastas de dente.

Veio fazendo meu mundo girar. Misturou tudo, cara. Até que seu ponto mais teimoso encontrou o meu mais fraco e a gente virou avalanche. E saiu carregando tudo pela frente. Eu já não sabia em que ponto acabava a fúria e começava a felicidade.

Um dia ele me disse que ia ficar tudo bem e contou uma história que me fez rir, ele estava ali mostrando algum ponto fraco, tentando me acalmar . Ele também me ensinou o pouco que eu sei sobre celulares.  Eu não soube  firmar os pés no chão para  não ser levada junto, quando os ventos fiaram mais rápidos.

Tá tudo Okay. Porque ele já passou e eu fechei a posta da frente. Só preciso arrumar essa bagunça e contabilizar os gastos. Chega de furacões e coisas voando pelo ar. Sadia. Bolinhos e Bastille. As faíscas já não aparecem com tanta frequência e o mundo anda tão estável.


terça-feira, 10 de dezembro de 2013

PPV : Liberdade, vodca e montanha russa


Ontem eu enchi a cara. Enchi mesmo. Pai, mãe, desculpa, mas eu fiz. Fiz porque eu queria e fazia já um tempinho que eu não agia como me dava na telha. Eu sei. É errado, não é o que vocês tinham programado pra mim mas, ah, foda-se. Pode não ser certo, mas  fez eu me sentir livre.

Já andou de montanha russa ? Lembra da primeira vez que entrou no carrinho e foi dando aquelo frio na barriga ( ou cobrinha na barriga, pros criativos como eu) ? Você não soltou da barra de ferro à sua fente nos primeiros momentos, mas depois da primeira queda você gritou FODA-SE na sua mente e jogou as mãos pra cima. Então, encher a cara foi que nem andar de montanha russa. O gosto do álcool ou as merdas que eu possivelmente falei não representaram nada na minha vida. Mas a formigação na boca do estômago te dizendo que aquilo era errado mas "siga em frente", é disso que eu to falando, é dessa liberdade. Aquela que a gente adquire em algum momento da vida quando se descobre fazendo algo novo por vontade própria, e não por pressão dos amigos ou da sociedade. Porque você não é mais uma criança de 13 anos tentando ser adulto. Você tem 19,  e só quer impressionar a  você mesmo. ( Não que ter 19 signifique muita maturidade, mas ainda assim é melhor pra tomar decisões do que  na puberdade)

Coisa de gente retardada falar isso. A gente se sente livre pela primeira vez quando vai viajar ou faz 18, ou tira carteira de motorista. Não quando ingere álcool e sai trocando as pernas. Mas é a vida, ela tá aí e é esse tipo de coisa que aconteçe nela.

No final  da montanha russa você sai meio atordoado e pensa "WOW, não acredito que subi nisso ai." Nessa hora você deixa a consciência vim e fazer seu trabalho. Passa a noite tentando lembrar do que fez e dizendo ao seu estômago que vai ficar tudo bem. E não é que vai mesmo ? Ao acordar no dia seguinte,se perceber que ainda está meio zonzo, relaxa, é só a ressaca da liberdade.

*História criada para  o projeto Primeiras Vezes, com a Suzi e a Taysa. Elas também escreveram sobre a Primeira vez que fizeram algo que as fizeram se sentirem livres, quer dar uma olhada ? Clica nesses links aí embaixo.
 E você ? já encheu a cara? Já andou de montanha russa? Como foi ?
ps.: Não bebam . 

domingo, 8 de dezembro de 2013

Sobre gente que vai embora


Deve ter gente por ai se perguntando quem é esse tal de Nelson Mandela que morreu e do qual todos os jornais estão falando. Bom, é sobre isso que eu vim falar hoje. Ok, não só sobre isso, é muito mais sobre esperança e bons exemplos do que sobre morte.

Nelson Mandela foi o principal símbolo da luta contra o Aparthied na África do Sul - segregação racial que dava poder aos brancos  entre 1948 e 1995 - com uma diferença, ele não pegou em armas. Ele ensinou seu  povo a perdoar. A perdoar todos os anos de humilhação e desrespeito e a não odiarem os brancos, tanto os responsáveis, quanto os que alimentavam a segregação.  Ele impediu que a guerra civil tomasse conta do seu país. Entre 1995 e 200, Mandela foi  o primeiro presidente democraticamente eleito da África do Sul e continuou com seus ideias de paz e transformou o país no que ele é hoje.

 Não vamos nos ater aos erros, que sempre existem, mas sim a mensagem que essa figura nos deixou. É fácil sentir raiva e rancor e odiar aqueles que nos fizeram mau, mas em um piscar de olhos nos tornamos para estes exatamente o que eles foram para nós, humilhando - os e os desrespeitando.  Mandela conseguiu a paz com a paz. Não como fez o ex Presidente Bush entrando em guerra com países e pessoas que eram supostamente terroristas, sob o pretexto de que estava colocando o mundo em paz.

Mandela seguiu exatamente o disse que faria ao entrar na presidência, mostrando a humanidade que as vezes o país só precisa de uma pessoa de moral política e pessoal.

Eu não consigo não ser uma pessoa política e separar a minha vida dessas questões. Por isso hoje eu me junto aos milhões de pessoas ao redor do mundo que sentem a perda de um dos maiores homens que já passaram pela terra.

"Parece sempre impossível, até que seja feito." - Nelson Mandela

*ps.: esse texto foi escrito sexta feira, mas só pude postar hoje. 

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Sendo salvo por vídeo aulas

Eu sei que a maioria aqui já deve ter terminado as aulas e a maioria dos vestibulares já foram, mas se você, assim como eu, ainda tem alguns dias de luta pela frente e não aguenta mais ir pra escola ouvir o professor falar, o youtube tem a solução.

1. Me Salva
É um canal de exatas, com vídeos curtinhos, que falam só o essencial e é super fácil de acompanhar. 
2. Aula Livre . net
Só assisti as aulas de física desse canal, mas tem de todas as matérias. Pelo menos as que eu vi, eram muito boas. 
3. Descomplica
Assisti só os de humanas desse canal, mas são muito bons. São mais dinâmicos e apostam naquela coisa de brincadeiras e tals. 

Zombie, a origem 
Já viram esse vídeo ? Assistam, vale muito a pena.


Alguém ai viu o último episodio de The Walking Dead e deseja se juntar a minha pessoa em um debate muito sério sobre o que aconteçeu ? hahahah

Você tem alguma dica pra galera ? Manda aí nos comentários e Boa Sorte nos vestibulares.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Deixa ela entrar


Vem cá, cara, senta aí. Vamos conversar sobre ela. Ei, pode ir parando. Nem tenta fugir. Uma hora você ia ter que parar e pensar . Então, desfaz essa cara e se abre um minuto. Confessa vai. Voce não olhava pra ela atoa, se você reparou  nela entre 13O outros é porque alguma coisa te chamou a atenção. Me fala a verdade, você não dá oi daquele jeito pra todo mundo que vê na rua. Para com isso. Não precisa querer desviar a conversa. O foco hoje é vocês e essa sua mania estranha de não deixá-la entrar. Porque eu sei que você quer. Você sabe que ela te faz rir quando vem com aquelas histórias de meditação e filosofias da vida. Sem contar os bolinhos. Ela é a única que acha graça dos seus bolinhos que você leva pra todo lado. Ihh, você sorriu. Então eu to certo. Você gosta de sentar do lado dela na aula e virar pro lado e lhe lançar aquele olhar recheado de sarcasmo. Você curti dividir suas piadas com ela. É porque ela é boba que nem você não é? Mas então, porque você ainda não pegou na mão dela e lhe disse isso ? Você deveria parar de se desviar assim. Eu sei que quando você a olha, é com vontade de dizer alguma coisa, mas  você desvia, ela sorri e vocês continuam nesse nada meio morno. Você  ache que me engana assim ? Você não empresta seus livros pra quem não confia. E também não fala sobre seu passado pra quem acredita que não estará no seu futuro. Para de agir como se essa sua mania de bater o pé no chão não aumentasse quando ela está muito perto. Já te disseram o quanto ela gosta de você, então para de fingir que não é por isso que você resolveu se tornar íntimo dela. 

Não olha agora  não mas ela está passando pela porta. Ela é linda não é ? Esses cabelos pretos e essa cara de doida. Fala a verdade, ela te deixa confuso. E você gosta. Para de mandar sms' perguntando por onde ela anda e vai ao encontro dela. Eu sei que você sofreu e não quer sentir isso de novo, mas você não vai se arrepender se deixar ela entrar. Vai com tudo e se der medo, vai com medo mesmo. Ela está olhando pra cá, acho que te viu, porque ela abriu um sorrisão. E foi só falar nele que você sorriu também. Levanta cara. Vamos parar de falar dela. Vai lá, deixa ela te confundir até você não saber quem é e , por favor, vê se deixa ela entrar.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Coisas que toda garota pensa no primeiro encontro



Lembra do seu primeiro encontro ? Eu sei. É melhor nem pensar nisso. Você queria que ele tivesse um carro, mas menor de 18 anos não dirige no Brasil e não tenta me enganar, com certeza foi no cinema e ainda foi em um dia que todo mundo paga meia. Mas não esquenta, aconteceu com todas nós e a gente também pensou as mesmas coisas que você. Só pra ter certza, criamos uma lista com as seis coisas que toda garota pensa no primeiro encontro.

  1.  Okay...é melhor ele pagar tudo. Porque eu não queimei sutiã nenhum na rua pedindo o direito de pagar a conta.
  2. Que sorrisinho foi esse hein ? Ai meu Deus, o que ele tá pensando ? Tudo bem, será que eu falei merda ? Alguma bobagem muito grande passou pela cabeça dele agora.
  3. AIMEUDEUS! Será que ele vai gostar dessa roupa? Será que coloco uma roupa mais comportadinha ou uma mais sexy? Será que ele gosta desse perfume? Com muita ou pouca maquiagem? Tô pirando agora!
  4. Ele tá olhando pra outra! Ou será que não? Será que ele tá se divertindo ou quer ir embora? E agora? Pera ai! O que que ele acabou de falar??
  5. Já estamos quase na minha casa. Ele não vai me beijar, não? Porque ele ainda não me beijou? Será que ele não gostou tanto assim de mim? Como que eu faço pra ele me beijar? Dou alguma indireta? E se ele tentar algo a mais essa noite? Que que eu faço??
E você, o que pensou no seu primeiro encontro ? Conta pra gente aí nos comentários.

domingo, 17 de novembro de 2013

Talvez você seja minha salvadora


Ela olhou pra ele e disse "Tchau" e ele não deixou de pensar que ela usou a palavra errada. Ele virou as costas e ia entrando no ônibos. E daí que ela é estranha e não gosta de café ?

Estava quente, tinha muita gente amontoada para conseguir um lugar sentado no ônibus. E ela foi sendo afastada dali. E daí se ele veste a mesma roupa cinco dias por semana ?

Ele procurou em volta e ela já estava longe. O ar foi encontrando dificuldade em entrar e o coração resolveu bater rápido. E daí se ela não quiser se casar de branco e não acreditar em Jesus Cristo ? 

Ela pegou o fone mas parou porque ouviu alguém chamar seu nome. Virou para trás mas                       Ele estava muito absorto contando suas moedas.  E daí que ele é viciado em celular? Respirou fundo.

O motorista deu a partida no motor e ele estava sendo empurrado para dentro. Mas ele não queria passar por aquela catraca. E se ela for quem ela é pra ele por algum motivo? E se não for "só" o que ele acha que é ? Colocou o dinheiro no bolso. "Desculpa" ele foi dizendo enquanto abria caminho entre as pessoas. Tá tudo bem ela gostar de The Carrie Diaries.

Ela viu alguém se movimentando na direção contrária em relação aos que tentavam entrar no ônibus e seu estômago deu um nó. Tirou os fones do ouvido e não sabia o que fazer. Tá tudo bem que  nós somos só amigos. Ele se aproximava com seus olhos cor de mel e aquele sorriso tonto na cara e ela sentiu que estava se desfazendo.

"Desculpa" ele disse, todo afobado, como se tivesse acabado de sair de uma maratona. Jogou a mochila no chão. Ela só é um pouco doida.

Ela sentiu seus lábios formando um  sorriso e seu rosto ficando vermelho. E antes que conseguisse dar um passo a frente suas bocas já tinham se juntado. O ônibus dele tinha partido. O fone dela estava pendurado pra fora da bolsa. Ele ficou. Ficou com os seus sonhos e seu péssimo gosto para música. Ficou com a falta de dinheiro e com os livros da escola. Largou a comida da mãe e a carteira de motoristapra trás. Largou tudo e ficou. Ficou por ela.

PS.: SEGUE O BLOG NO TWITTER GENTE >> @torresaamanda
Agora o blog tem programação ( UHUL),olhem ali, que orgulho de organização. 

domingo, 10 de novembro de 2013

Pelo direito de ser puta


Eu sei que faz um tempinho que tudo isso aconteçeu mas só agora me deu vontade de escrever sobre isso. Só para deixar claro, eu não sou fã da Miley Cyrus, eu assistia sim Hanna Montana num passado distante 6 anos atrás. Não me xinguem antes de terminar de ler e não digam que eu estou defendendo a putaria, okay!

Quando Madonna surgiu nos anos 80, vestida de noiva e dizendo que sim, a mulheres também podem querer só se divertir, cantando "Like a Virgin" nas rádios, senhoras ficaram vermelhas de vergonha e as  organizações familiares e religiosas cairam matando em cima dela por considerarem que ela estava acabando com a moral dessas instituições e levando boas moças a agirem de forma errada. Hoje ela é considerada um dos principais nomes do feminismo real, que deixa as mulheres agirem como bem entendem e não se tornarem escravas de mais uma instituição.

Okay, vamos deixar bem claro que eu não estou comparando a música da Madonna com a de Miley Cyrus e sim as atitudes. Miley tem a mesma idade que Madonna tinha quando surgiu no cenário musical indo contra todas as correntes éticas e morais da época e causando horrores. Nos primeiros anos, quem gostava dela era considerado brega e puta e seu nome era tabu na sociedade. Dá pra sentir uma semelhança com o presente ai.

A maioria das pessoas com quem conversei sobre isso se sentiram repudiados e envergonhados com a apresentação de Miley Cyrus no VMA 2013, bom, um ponto a mais para a odiada do momento. Ela conseguiu o que queria, chamou a atenção e causou sentimento de revolta nos telespectadores. E era exatamente disso que o mundo do entretenimento, feminista e social precisava. Um choque para mudar um pouquinho suas bases.

Quando se trata de artista mulheres o mundo do entretenimento se funde ao do feminismo. Cantoras que usam sai curta e falam muito sobre sexo são putas, não são levadas a sério e são consideradas apenas mais uma vítima desse mundo cruel que as aprisionam e as transformam em escravas. As que usam saias compridas e só falam daquele amor espiritual são exemplos a serem seguidos pela sociedade. Já está mais do que na hora dessas estruturas mudarem.

Ai é que entra a nova Miley Cyrus. Tudo bem que ela está fazendo pra chamar a atenção, mas se as pessoas tentassem enxergar um pouco mais a fundo veriam que tem muito sobre liberdade (sexual) da mulher em todas as recentes atitudes dela. Por isso o título do texto não é sobre deixar que as mulheres sejam putas se elas quiserem. É sobre  parar de achar que elas o são só porque não estão em um namoro de cinco anos e agora decidiram falar abertamente sobre sexo.

Os valores da sociedade estão mudando sim, porque é preciso. Sendo fã ou não da Miley Cyrus há de se concordar que ela deu um grito de independência digno e que você está morrendo de vontade de fazer o mesmo. 


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Sobre desastres e primeiras vezes


Adivinha quem está em um projeto de parceria ? UHUL. Eu mesma. Vai funcionar assim. Toda sexta feira, eu  a Tayziíssima, do Aquele Diário Secreto, vamos postar um texto ( em forma de conto, relato, dicas, listas e etc) sobre primeiras vezes. Porque né, tem primeira vez para tudo. Primeira vez na escola, primeiro melhor amigo, primeiro namorado. O primeiro texto tá ai embaixo. Escreve aí nos comentários  sobre seu primeiro beijo e se você tiver alguma sugestão, passa pra nós. Ah, e siguam a Taysa.


Nossa. Parecia que o dia de ontem tinha sido um sonho. Uma página roubada de um conto-de-fadas. Besteira, ao que parece, mas ontem eu tive o primeiro beijo que sempre sonhei. Bom, tudo bem, talvez não tenha sido assim tããão perfeito. Eu ri comigo mesma com esse pensamento e as memórias da tarde de ontem na chácara do meu amigo voltaram.


- Oi – ele começou. Eu estava sentada com minhas amigas na beira da  piscina. – Quer dar uma volta comigo? – eu aceitei e nos afastamos. Eu sabia o que iria acontecer e estava tão nervosa que não parava de tropeçar. E ele simplesmente rindo de mim! Porque eu tinha que estar  tão desastrada justo hoje? Paramos na beira do lago, e ele estava prestes a dizer algo quando seus amigos apareceram. 

- O que vocês dois estão fazendo aqui sozinhos? – eles gritaram rindo. Ficaram ali fazendo palhaçadas até que ele os mandou cair fora. Demos umas risadas sem-graça e um tanto forçadas e então ele pegou minha mão. Achei que aquele seria o momento que eu estava esperando há tanto tempo, afinal,pelamordeDeus, eu era a fim desse garoto fazia vários meses já! Então, finalmente, finalmente, ele me puxou para mais perto, e... Eu tropecei na pedra que eu não tinha notado, perdi o equilíbrio e... Caí no lago e acabei puxando ele junto! Não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo! Depois de tanta espera, nada estava dando certo!   É. A água não estava tão quente assim e meu pé ficou sujo de barro. Sem contar todo o charme do momento que tinha, literalmente, ido pro bréjo. Me deu uma vontade louca de chorar mas eu contei carneiros e sai de fininho da água, antes que mais alguém visse. 

-Tá tudo bem ? - Ele perguntou. Porque esse cara precisa ser assim ?  Respondi que claro, tava tudo ótimo. Só minha tentativa de  primeiro beijo que tinha sido um desastre. Tinha folha no meu cabelo e eu só conseguia me lembrar de música que envolvessem... morte.  Mas ele estava rindo. Gargalhando porque ele era idiota (óbvio). Tá ai. Eu desfiz a cara feia em um segundo, foi só ver aqueles olhos risonhos me encarando.  Ele me disse que tinha um corpo estranho no meu cabelo e se aproximou para tira-lo. A última coisa que eu me lembro é do rosto dele chegando cada vez mais perto até que eu conseguisse ver todas as suas sardinhas. Foi estômago foi na boca, voltou e fez alguns loopings lá dentro.

Agora, sempre que alguém me pergunta eu digo que meu primeiro beijo foi horrível. Cheirava lama, não teve música de fundo e tinha alguma coisa de errado com a língua dele. Só teve uma coisinha que fez o resto ficar melhor. Eu sai de lá tonta. O mundo girava e de um jeito bom.

sábado, 2 de novembro de 2013

Gente de cursinho



No Brasil quem quiser ganhar dinheiro ( de forma lícita ) e ter um futuro , aparentemente, estável precisa entrar em uma faculdade. Sorte que nosso governo é tão bonzinho que as  melhores faculdades são públicas. Só que NÃO. Para entrar em alguma faculdade decente (que você não terá vergonha de falar o nome quando te perguntarem)  você precisa passar em uma prova escrita pelo capeta, que as pessoas costumam chamar de Vestibular.  Para os sem noção ( tipo eu) que escolheram um dos cursos mais concorridos do país ( e para o resto de sem futuro que não sabe o que fazer da vida ou que vagabundeou o ensino médio inteiro) existe uma segunda chance. O limbo dos estudantes, o lugar onde você não está nem na faculdade, nem na escola. O cursinho. E é nesse lugar, maravilhoso que eu me encontro a um ano e meio.

A primeira coisa que você precisa saber é : nunca julgue os estudantes do cursinho, porque se não, o carma vai te mandar direito para lá. Que foi exatamente o que aconteçeu comigo. Então, cuidado com os seus pensamentos enquanto lê este texto. 

A segunda coisa é : nem todo mundo que está no cursinho é retardado ( dá para saber quem eles são quando você volta das férias de julho e dos 13O só tem 5O). Todo mundo aponta o dedo pra gente e faz cara feia quando perguntam "O que você faz da vida?" e você responde " Cursinho". A escola onde eu fiz os 4 meses de cursinho ano passado meio que ignorava a nossa existência, tanto que a nossa sala era a última e mais isolada do corredor, perto do mato e dos macacos. No cinema se você declara que é estudante de cursinho a moçinha da bilheteria ainda tem a audácia de dizer que você não paga meia porque " gente de cursinho não estuda". (Ela não precisa saber que isso é verdade só no mês anterior ao Enem). Nós não somos mentalmente especiais, somos apenas marginalizados do sistema educacional brasileiro.

A terceira coisa que você precisa saber sobre esse universo paralelo do cursinho é : Você começa o ano no maior gás tentando aprender tudo  o que não conseguiu no ensino médio, e você até que está conseguindo. Aí você faz amigos. De repente, você - que estudava até nos intervalos entre a troca de professores, que aproveitava ao máximo aquela uma horinha entre o almoço e a próxima aula e que sentava na primeira cadeira do lado da garota mais inteligente ( caso  quisesse tirar uma  dúvida) - se vê sentado no fundo da sala, no meio da galera ou que não sabe o que fazer da vida ou que quer fazer Arte  ( eque não tem a orbigação de estudar), matando aula e fazendo bullying com quem está estudando. OU seja, amizade de cursinho é uma coisa perigosa. 

Até que finalmente chega o ENEM. E a única coisa para a qual ele serve é te deixar bêbado. Porque entrar numa faculdade com a nota que você acha que tirou não vai rolar. Mas ainda tem dois vstibulares que podem salvar a sua vida. Aí você decidi estudar feito louco enquanto os seus amigos riem da sua cara porque você só tem 3 semanas para engolir toda a materia que você vem ignorando desde que conheceu eles. 

Aí a coisa vira um ciclo infinito. Seus amigos mais novos vão para a faculdade e você continua no cursinho até decidir que não tem mais jeito e joga sua nota num curso do tipo ciências sociais ou filosofia. Você sabe que vai morrer pobre e infeliz mas pelo menos, você entrou para a  faculdade.

E você, faz o que da vida ? Já fez cursinho ? Conta aí nos comentários como foi sua experiência de vestibulando. 

sábado, 26 de outubro de 2013

Garotos que deveriam casar com suas próprias mães


Uma vez um amigo me disse que nunca sairia de casa porque não queria ficar longe da sua mãe. A mulher não era velha, doente nem aleijada e era completamente independente do marido. O garoto queria ficar, simplesmente, porque ela é a mulher perfeita para ele.

Aquele história que Freud dizia que os filhos são apaixonados pelas mães. Complexo de Édipo. Faz todo o sentido e mais, alguns caras nunca superam essa fase. Escondem bem, mas lá no fundo quem eles procuram, de verdade, é alguém igualzinho a sua mãe. Não sexualmente, mentalmente, eu quero dizer.

Eu fico imaginando como deve ser difícil mesmo se desligar de uma mulher que te diz o tempo todo que você é lindo, inteligente e especial. Que te espera toda sexta-feira com comida pronta e passa a tarde inteira com aquele sorrisão na cara enquanto lava suas roupas sujas.

A mãe dele é a mulher  perfeita porque liga cinco vezes por dia e não deixa de dizer "Eu te amo" mesmo quando ele está numa onda de comportamentos infantis. Ela não xinga e não bate a porta na cara dele quando ele acorda numa manhã decidido a tratá-la com descaso pelo resto da semana.

Esses homens deveriam parar de tentar se relacionar com outras mulheres e se tracarem em casa ouvindo a mamãe declarar, babando arco íris, que seu menino é o melhor. Só assim eles serão felizes e nunca mais sofrerão com as garotas malvadas que os trocaram por um cara gordo e feio, mas que tinha mais atitude de homem do que o filhinho da mamãe.



sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Eles ( parte O3)

SE VOCÊ NÃO LEU A PARTE O4 PARE AGORA , CRIA VERGONHA NA CARA, E VAI ALI EMBAIXO LER RAPIDINHO;


Ela tinha os cabelos presos por um rabo de cavalo  alguns fios soltos no rosto. Ele vestia aquela camiseta azul que ele manchou porque colocou pra lavar do jeito errado. Já era dezembro e fazia um calor do inferno. Mas ele tinha insistido que o dia estava ótimo para pintar a sala.

"Droga" a lata de tinta salmão tinha caído no pé dela e se espalhado pelo chão de madeira. "Que merda, que merda !" Ela sentiu uma vontade enorme de gritar e jogar aquele pince pela janela mas ele apareceu na sua frente e ela se lembrou de que da última vez ele saiu de casa e voltou só no dia seguinte.

"Calma, cara" ele se agachou para limpar o lugar enquanto ela voltava da varanda com algum produto de limpeza.

"Você anda muito nervosa ." Ela continuou calada. "Ei" ele insistiu" Que que tá acontecendo , hein ?" Ela começou a andar de um lado pro outro na sala. "Eu sei lá... um monte de coisas." Ele ainda estava calmo mas deu um frio na barriga quando ela parou de andar e confessou que estava confusa. Ela vinha pensando em todas essas pessoas que moram juntas e acabam se casando e tendo filhos e brigam o tempo todo e no casamento dos pais e só conseguia concluir que ainda não estava preparada.

Ela não queria que eles terminassem de cara feia um pro outro em uma sala do fórum da vara da família decidindo quem ficaria com o que. Ela estava insegura e aquela dor estranha na boca do estômago só piorava. "Eu tÔ com medo. Só isso."

"Eu também." Ele se levantou e foi até ela "Também fiquei com medo a primeira vez que fui andar de bicicleta sem rodinhas. Eu caí um monte de vezes mas quando me levantava eu percebia o quanto foi bom eu  ter insistido em continuar andando. " Ela riu. Riu não, gargalhou. Porque aquilo não fazia sentido e ele a estava comparando com uma bicicleta.

Ele sorriu e voltou ao trabalho. E agora eles tinham alguns medos em comum, um futuro incerto juntos e uma mancha cor de salmão na parede da sala.


sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Eles


Parte O4

Ela estava sentada no sofá com o notebook no colo. Vinha um cheiro bom de tempero da cozinha, do outro lado do balcão. Ele jogou o pano de prato no ombro e se virou para ela. "Preparada?" "Uhum" respondeu, sem parar de digitar.

O céu já estava escuro. O vizinho da frente tinha aberto a varanda e dava para ouvir a música que vinha de lá de dentro. Mas dessa vez os dois não se entreolharam porque já tinham se acostumado e agora, sem perceber, batiam os pés no rítimo do som.

"Sua mãe tá perguntando se a gente vai pra lá esse fim de semana." Ela levantou os olhos pra ele que deu de ombros. "Não sei, você quer ir ?" "Pode ser" ela sorriu meio cansada. Ele desligou o fogo e pegou o celular no bolso. "Ei, você tá no blog?" "Uhum" ela soltou. Ele digitou alguma coisa muito rápido e tirou o macarrão do forno " O jantar tá proonto." "Só um minutinho" ela se animou derepente " Tem um comentário novo aqui".

Ele sorria enquanto esperava. Ela prendeu a respiração "É sério isso?" Ele se jogou no sofá ao lado dela e tirou alguma coisa do bolso. "É" deu de ombros, como que despreocupado. "E ai, você aceita se casar comigo?" Ela não pôde conter um riso, porque aquilo tudo era inimaginável.  Ela duvidaria que ele a tivesse pedido em casamento por um comentário no seu blog, se não estivesse vendo isso acontecer. 

Porque ele era o cara que vinha fazendo sua respiração parar à anos. E ele não se cansava das filosofias dela e ela das piadinhas dele. E eles tinham comprado aquele apartamento pequenininho juntos. Ela já sabia a resposta mesmo antes de perceber que seu coração batia tão rápido, mas ela não estava preocupada se Ele ouvia ou não, porque eles já tinham passado daquela fase.

"Sim" ela conseguiu dizer, finalmente.






sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Projeto Com amor, por favor sem flash

Finalmente eu consegui a bendita câmera para postar as cartas que recebi do projeto. Pra quem não tá entendendo nada. Eu to falando isso aqui.
A primeira carta que recebi foi da GarotaLiber (da Beta) e me surpreendeu muito. Eu não esperava o final. Não sabia se ficava triste ou feliz com o texto ahaha ( fiquei triste por conta do final). Adorei o conto e os marcadores de página. Não conhecia o blog dela, mas eu fui lá e ele é lindo e cheio de posts legais. 


A segunda cartinha o blog Por uma Boa leitura, que chegou hoje numa caixa enorme ( e sim  Raquel eu me assustei com o tamanho da caixa haha) e veio cheio de coisitas legais. Eu esqueci de incluir o CD na foto, mas veio um CD com cinco músicas do Bon Jovi que eu adorei e duas fotos do Rock in Rio e mais algumas marcadores de páginas. O tema dessa vez foi sobresua música favorita e eu amei a sinceridade da Raquel falando sobre Always. 



Tudo isso me faz pensar que eu deveria mudar meu estilo de vida. Tipo, tomar mais cuidado com os prazos de entrega das cartas e postagens e essas coisas. Além de ter feito eu chegar a conclusão de que meu blog é o mais ralé do projeto, porque me perdoem mas aqui não tem nada de  marcadores de páginas e afins (haha). Mas eu to gostando da experiência.


domingo, 22 de setembro de 2013

E quanto ao futuro


Dias desses minhas amigas entraram no assunto futuro. "Minha casa vai ser branca com janelas azuis", "Meu vestido de casamento vai ser bordado", "Minha filha vai se chamar Carla".Os olhos delas brilhavam enquanto repassavam umas as outras toda a cronologia que tinham feito sobre suas vidas. Formar com 25, casar com 26 e meio e ter filhos aos 30. E quando eu soltei um sincero " Eu não quero em me casar" todas me lançaram olhares indignados que pareciam até ofendidos quando eu completei dizendo que não pensava exatamente em ter filhos.

Fiquei me sentindo uma sem coração naquele dia e passei o resto da manhã me perguntando se eu não tinha algum tipo de sociopatia que a ciência ainda não descobriu. Mas ai eu cheguei a conclusão de que elas é que não tinham entendido direito. Só porque eu não tenho em mente todos esses planos pro futuro não significa que acho errado os outros terem. É tipo quando eu digo que não gosto de crianças. Não sigifica que eu quero que todas elas morram. Eu só não gosto de crianças perto de mim, só isso.

Acho legal que tenha gente por aí que ainda pensa nessas coisas. Dizem que dá mais segurança viver rodeado de pessoas esperançosas. Mas não adianta. Eu não me vejo fazendo tudo isso. Tudo bem, eu consigo no máximo me ver na faculdade. E porque não ? Então se dedicar à um emprego dos seus sonhos não é uma forma de amor ? Os líderes que dedicaram suas vidas às suas causas não tinham por elas uma forma diferente de afeto?  A vida meio que perde a graça pra mim quando eu penso que tudo se resume a : casar, ter filhos e morrer. Fica vazio, faltando alguma coisa.

MInhas amigas riem e dizem que essas minhas ideias vão durar pouco. Provavelmente você me encontre daqui a dez anos de véu e grinalda entrando em uma Igreja Católia. E tomara mesmo que isso aconteça. Eu só não preciso fazer planos e contabilizar meus anos de vida. Talvez eu me case aos 25 e me separe três vezes, talvez eu tenha trigêmeos, talvz eu jogue tudo pro alto e me mude pro Caribe antes dos 4O. Talvez tudo isso junto, talvez nada disso.

sábado, 14 de setembro de 2013

Sobre ser outro alguém



Eu já quis ser atriz, acredita ? Foi naquela época que saiu Jogos Vorazes,  estava todo mundo babando na Jennifer Lawrence e eu ficava pensando que devia ser legal ter gente babando por você. Já quis ser a Taylor Swift porque ela namorou um bom número de caras bonitos. Já quis até ser a Bruna Vieira, é eu confesso, porque ela tem um blog que faz sucesso. Ai eu paro e me lembro que meu blog só não faz sucesso porque eu quase nunca posto nele.

Hmmm, é bem simples então. É tipo, meu cabelo só é curto porque eu não deixo ele crescer. Quando eu tinha quatorze anos eu achava que fazer quinze ia mudar minha vida, eu seria outra pessoa, tudo o que eu não gostava em mim seria transformado em algo bom. Óbvio que isso não aconteceu e nada foi transformado até que eu tentasse mudar alguma coisa. 

Uma amiga me disse uma vez que para esse sentimento de não-querer-ser-você-mesma ir embora é só fingir que você é uma atriz e a vida é sua super produção cinematográfica. É como se você fingisse ser você mesma, só que no final dá certo.

As vezes ainda finjo que sou uma escritora famosa e acabo postando um texto aqui, ou que sou cozinheira  e acaba saindo torta de limão lá em casa. Não é o mesmo que fingir sua vida inteira. Se você colocar algo na sua cabeça e acreditar naquilo, acaba virando realidade. Então, pra você ai ,que nunca confessou pra ninguém, mas já quis, desesperadamente, ser outra pessoa, para de só querer ter o corpo da Gisele Bündchen ( porque?) e vai malhar como se fosse ela.

sábado, 7 de setembro de 2013

O cara que você colocou em meu lugar

O blog agora tem twiter (uhul). Então, segue lá @torresaamanda


O cara que você colocou em meu lugar não bebe, não vive em baladas noturnas mundo a fora, nem te trai com a primeira que aparece. Eu achei que você nunca iria conseguir encontrar um cara fora desse perfil, tirando eu. Mas você encontrou.

Eu nunca achei que ele apareceria. Você era inconsequente demais até para ter um amor de verdade. Que diria então ter um amor calmo, tranquilo e sem grandes escândalos, desses amores que viram casamentos. Eu nunca achei que você fosse casar. E isso, em parte, me tranquilizava, porque, por mais que eu soubesse que eu nunca mais iria te ter, um pedaço de mim ainda insistia em nós dois. Um pedaço de mim ainda achava que você ia entrar pela porta, pedir desculpas por tudo o que disse e me implorar para voltar para você.

Mas você não voltou.

Ele apareceu de uma hora para a outra. E é mesmo o genro que sua mãe queria – por mais que ela adorasse quando o genro podia ser eu. Ele conseguiu até o que eu nunca achei que alguém conseguiria: te mudar. Ele abaixou seu tom, te mostrou que as coisas podiam ser diferentes, fez você entender que não se ganha as coisas no grito. Olha só: ele conseguiu te transformar no tipo de mulher que eu sempre quis ao meu lado. E agora eu consigo perceber que nunca importou o tipo de mulher que fosse, só importava que quem estivesse ao meu lado fosse você.

Mas é do lado dele que você está agora.

Eunão sei dizer se está apaixonada ou se apenas decidiu assumir o papel que disseram que  deveria ser seu. Eu não sei dizer se seu olhar é verdadeiro, se suas declarações são de coração ou se seus beijos tiram o fôlego como costumavam tirar. Eu não sei dizer mais nada sobre você, porque você não é mais quem eu costumava conhecer.

Você cresceu. Amadureceu, tirou as fantasias infantis, colocou o salto alto e foi encarar a vida como gente grande. Você deixou de alimentar ilusões, deixou de acreditar em fadas, duendes e príncipes encantados. Pior: você deixou de acreditar em mim. Cansou de esperar que eu fosse te entender, te aceitar ou lutar por você. Cansou de insistir em um amor torto, mal acabado, sem pretensão nenhuma de ser um amor feliz. Eu cansei também, e por isso nunca mais fui atrás de você. Ainda que continue me doendo até hoje não te ter.

Tudo bem. Eu sei e você sabe: nós nunca daríamos certo.

Tem outro cara em meu lugar. Qualquer dia você me aparece com um convite de casamento. Eu vou. Juro, eu vou. Vou cumprir o papel que você designou para mim: ser para sempre mais um de seus amigos. E vou deixar ele te fazer feliz. Espero que ele realmente faça.

Seja feliz com ele.
Esse aí.

O cara que você colocou no meu lugar








Quem escreve ? Eu sempre quis viver mil vidas que não eram minhas. Eu queria ser atriz, presidenta, engenheira, delegada, médica. Mas, um dia, eu descobri que não era assim que eu colocaria em prática este sonho. E foi aqui, nas palavras jogadas em alguns parágrafos, que eu fui me pegar vivendo histórias que não vivi, mas sentindo amores como se fossem meus. E aí eu descobri que talvez eu nunca faça isso bem o suficiente, mas uma parte de mim sempre vai sorrir ao contar uma história minha, sua, ou da Maria.

Mas se quiser me encontrar, me procure nas minhas metáforas vazias. Quem sabe você não esbarra com algumas mil Éricas por lá. Conversa entre amigas

Quer aparecer no blog ? Manda seu texto aqui pro noutrolugar13@gmail.com

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

As coisas que a gente jura sem pensar


Eu jurei pra mim mesma que nunca mais escreveria sobre seus olhos, não daquele jeito de quem fala suspirando. Que respeitaria sua escolha e seguiria certinho a cartilha que ensina como ser "só amiga". Eu também já cheguei a jurar que você seria ignorado, que eu fingiria que você nunca esteve por aqui. Acontece que você tem essa halo intoxicante que meio que puxa a gente pra perto. 

Agora, pensando bem, eu consigo me lembrar de várias coisas que jurei sobre você. Tipo ... quando eu disse que não me importaria  mais se você saísse com alguém, que não daria aquela espiadinha básica quando você estivesse conversando com uma garota e que não perderia o fio da conversa porque você tinha acabado de chegar. Eu espero que você não saiba, mas  minha mente vira um breu no momento em que você aparece. Tudo em vão. 

Droga. Eu me encolho um pouco mais na cadeira. Tomara que você não me veja aqui, só que como você mesmo disse, é difícil não ver uma garota de 1,76 m de altura. Você se senta na minha frente e eu fico me odiando e não entendo nada do que você diz, meu cérebro virou uma pasta outra vez. Droga . Eu estou rindo, sem saber exatamente o porque. Acho que é essa sua presença de novo, me faz ficar meio boba, e eu que  jurei que nunca mais ficaria assim.

Você está roubando minha batata frita e tirando com a minha cara, porque é o tipo de coisa que os amigos fazem. E eu devo estar me saindo bem porque você tem levado isso tudo muito a sério. Não é uma crítica, é surpresa. As vezes eu queria que você não me surpreendesse tanto. 

Eu jurei esquecer tudo isso, ou pelo menos fingir (bem) que o tinha feito. É por isso que eu rebato suas tiradas e riu da sua cara quando as senhoras da mesa ao lado te chamam de mimado. É a primeira vez que eu faço uma coisa dessas, cumprir uma promessa. Então, eu me vejo tentando jogar fora todo aquele sentimentalismo barato e os textos que você diz serem feitos de arco-íris. Até você tirar do bolso a resposta para um post-it que eu tinha colado na sua geladeira um tempinho atrás. Eu solto uma risada, nossa, parece que faz tanto tempo. Quando escrevi aquele post-it nem pensei que essa dor de estômago que você me causa, ficaria série.

Só que por dentro eu estou puxando a toalha e mandando eles irem todos se ferrar. Seus olhos são lindos, e eu acho que já decorei todas as suas sardinhas. Ai eu me recomponho, guardo o que você me deu e  começo uma conversa meio nada a ver sobre "coisas nas quais acreditamos" só pra você sorrir mais um pouco e dizer que eu sou doida.

Agora eu me lembro porque relevei o juramento de te ignorar pra sempre. Você me faz bem, não daquele jeito, desse jeito. Do jeito que os amigos normalmente fazem. Me dá um alívio acordar de manhã e ter com quem compartilhar as coisas inúteis que aconteceram no meu dia e ficar lá parada rindo da cara das pessoas com você. Eu tentei ver o futuro e me vi deslocada sem sua presença e eu não gostei daquilo. Então, pode parar de se sentir com o ego inflado. É, eu continuo aqui, mas nossos motivos mudam e os meus mudaram durante esses últimos meses. 

Você me dá o maior susto quando me encara com esses olhos coloridos e pergunta no que estou pensando. Eu te encaro de volta e sorriu " Em como eu gostei de te conhecer" respondo, não tem nem porque hesitar. 


terça-feira, 30 de julho de 2013

Covardes não amam, covardes enganam



Não deixo que você me olhe nos olhos. Sei que eles dizem muito mais do que quero explicar. E quando fico em silêncio é porque estou morrendo de medo que você perceba o barulho que ainda faço ao seu lado. Fico me perguntando se você não escuta os gritos ensurdecedores que cortam minha alma, mas seus ouvidos não percebem, você já não me percebe, desde que decidiu sozinho que nunca daríamos certo. Deixo que você pense que eu acho isso também e não note como eu ando sufocada com as coisas que venho guardando aqui no meu peito.

Tudo bem, é melhor assim. Você não entenderia meus medos nem meus traumas, é incapaz de perceber que toda vez que fujo desesperadamente é porque quero mesmo me prender a alguém. É triste ver que você age como se realmente me conhecesse, quando na verdade mal abriu o livro, mal passou da página dois. É verdade, ok, eu declaro, eu assumo, dou minha cara a tapa aqui: eu tenho minhas incoerências, escrevo uma história meio torta, meio sem sentido. Há pontos colocados fora do lugar e acho isso meio cansativo. Confundi vírgulas com pontos e enfiei reticências onde devia ter encerrado o ato. Mas você me julgou pela capa, achou que sabia tudo de mim pelo resumo, me definiu com a epígrafe solta eu coloquei ali só porque achei a frase legalzinha. Tudo meio superficial, tudo meio mais ou menos, mas acha que me conheceu.

Você não mergulhou em mim, não foi até as minhas profundezas, não quis ver os pontos escuros da minha alma. Achou que eu era mais do que você podia aguentar. E na verdade eu sou mesmo. Você foi covarde e recuou. Teve medo. Medo do que acharia em mim, medo de enfrentar o que causava em você. Covardes não amam, você sabe, covardes enganam. E você me enganou. Deixei que foleasse meu livro achando que você podia ser mais um capítulo. Pura ingenuidade. Você foi um parágrafo, no máximo, que ficou no lugar errado, me deixando mais confusa do que já sou. Você teve medo, mas não vai assumir. Como covarde que é vai inventar uma desculpa, dizer que é porque somos diferentes, porque nunca daríamos certo.

Deixo que você pense que eu acho isso também porque você não entenderia minhas explicações. Não escuta o que venho gritando nos silêncios que fico ao seu lado: somos iguais, seu idiota, ambos fugitivos e covardes. E poderíamos ter dado certo se você não tivesse fugido, se você tivesse tentado. Mas prefiro me sufocar do que dizer, em voz alta, o que nenhum de nós estamos prontos para assumir.

E toda vez que não te encaro nos olhos eu estou pensando: a gente podia ter dado certo. Se eu não fosse uma fugitiva dos meus medos e você não fosse o grande covarde que é. Que pena, amor, você nem sequer me conheceu e atropelou nossa história com um ponto sem sentido bem no meio da frase. E, sabe, tudo bem, deixa eu mesma concluir esse rascunho que fomos por aqui:

A gente podia ter dado certo. Mas que pena, amor, que pena.

Quem escreve ? Fernanda Campos, 21 anos, com coração bobo de menina que é sempre capaz de acreditar outra vez. São Paulina, psicóloga em formação, autora do livro Uma Dose De Café, e, quando nada da certo, senta, toma um café, e faz um texto. Blog: http://www.nandscampos.blogspot.com.br/

sábado, 27 de julho de 2013

Projeto - Com amor, por favor, sem flash



Estava respondendo os comentários e recebi um muito especial do Endless Poem para participar de um novo projeto. Eu achei super legal porque adoro mandar e receber cartas e porque acho super interessante essa interação entre blogueiros. Ai vai a explicação de como funciona.

"Olá pessoal, tudo bom?
Hoje eu quero apresentar um projeto muito legal para vocês, e espero que gostem. Andando à procura de novas colunas para o blog me deparei com o projeto Cartas para Amelie, que achei super legal e tudo mais! É um projeto que visa a troca de cartas entre os participantes. Uma das coisas que mais me incentivaram a criar esse projeto foi a amizade que tenho construído com muitas meninas (e meninos) do último amigo secreto de blogueiros, promovido pela Viviane do Devoradores de Histórias, minha vontade de escrever textos e compartilhá-los com outras pessoas (já pensou em receber um texto especialmente feito para você?) e minha paixão por fotos. A ideia do projeto é levar mais amor, carinho e atenção para pessoas que, talvez, só conheçamos mesmo por meio dos nossos blogs, aumentar nossas amizades, incentivar a escrita e a fotografia e criar sorrisos em muitos rostos. Então resolvi criar o meu próprio projeto, com algumas pequenas mudanças.

A carta, enviada mensalmente ao amigo sorteado, deve conter um texto, sendo ele ficcional, real, ou do jeito que se imaginar, de tema aleatório ou pré estabelecido e uma foto de autoria própria que tenha relação ou complete o sentido do texto. Mais regras e adaptações serão definidas por meio do grupo do Facebook e, eventuamente, enviadas por e-mail.

Inicialmente, as inscrições estão abertas até dia 1 de agosto, tempo para que seu post divulgando o projeto também seja postado. A partir do sorteio, a carta deve ser enviada, no máximo, em 15 dias ao amigo sorteado, e uma postagem deve ser criada apresentando o texto e a foto recebidas, com o título [PROJETO] Com amor, por favor, sem flash seguido do mês em vigor. Assim que todos os textos forem postados, iniciaremos novo sorteio.

Um grupo no Facebook foi criado, visando a interação entre os participantes;
Link do grupo aqui!
 
Para participar, siga o Endless Poem pelo GFC e curta nossa página no Facebook;
O participante se cadastra enviando um e-mail para sarah.marques.lima@gmail.com, solicitando a participação no grupo;
 
A solicitação por e-mail deve conter:

Nome completo/ nome de seguidor:

Idade:

Nome do blog:

Endereço completo: 


Os participantes devem seguir todos os blogs;
Um post de divulgação do projeto deve ser criado no blog do participante, antes da realização do sorteio dos destinatários, visando uma maior divulgação e, consequentemente, uma maior participação (assim fica mais legal);
Os textos e fotos, não precisa nem dizer, não devem conter nenhum tipo de violação aos direitos humanos e não devem conter conteúdo adulto.

Um comentário neste post é bem vindo, expressando sua opinião sobre o projeto;

E aí, vamos trocar cartas?"

ps.: Muito obrigada a todos que me desejam Feliz aniversário e se você tem vontade de colaborar com qualquer coisa para o blog manda um e-mail para noutrolugar13@gmail.com Estamos te esperando. 

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Forget the haters cause somebody loves ya


Preciso confessar uma coisa: não sou legal o suficiente para dizer que odeio meus aniversários. Nunca me encaixei no time de pessoas que acorda de cara emburrada e é grosso com quem lhe deseja felicidades e que considera aquela uma simples data do ano. Mas deve ser legal ser assim. Não ficar se preocupando se as pessoas vão se lembrar que você nasceu naquele dia e nem ficar atualizando a página do facebook para ver quantos já te deram parabéns. 

Tudo isso é tão idiota. Porque ninguém realmente, se importa com o seu aniversário, ou se aquela é ou não uma data importante para você. Então, antes que fique a dúvida. Eu me importo com o meu aniversário, que por um acaso é hoje, vinte e cinco de julho. Há dezenove anos nascia em um dia de frio extremo e azul intenso, uma garota gordinha, de cabelo muito muito preto e pele muito muito branca que  adorava comer mingal de aveia, que tinha que dividir com o tio, que tinha só quinze anos a menos que ela. Agora ela fica pensando que deve ter sido todo aquele mingal que afetou seu cérebro dessa forma. 

Ela nunca imaginou que ser legal era tão difícil e ser difícil era tão legal. Por isso  nunca foi nenhum dos dois. Não escapou do trauma generalizado da vida escolar e também foi engolida por ele. Aliás, mais do que engolida. Foi isso o que moldou a sua personalidade. Uns tempos atrás isso era ruim, mas hoje ela fica pensando que deve muito a todo mundo que lhe apontava o dedo e lhe dizia que ela era boba demais. 

Quando tinha quatorze anos, queria fazer quinze e quando chegou nos dezoito, queria parar de contar ali mesmo. Não que ela tenha tentado se matar, é só que essa pressão social dos números a deixa confusa e estressada. E ela consegue ser muito estressada. Ninguém diria isso quando tinha lá os seus oito anos, porque ela era quieta do tipo que ficava vermelha quando alguém lhe direge a palavra. Só que agora ela fala pelos cotovelos. Achou que sofreria a vida inteira por conta de amizades. Até encontrar gente incrível no lugar mais chato do universo. 

Dezenove anos depois, a antiga neném gorducha tem um gato, um cachorro e uma queda por realezas. Mas, principalmente, ela tem uma felicidade enorme de saber que existem 188 pessoas no mundo que  não  se importam de passar alguns minutos lendo o que ela escreve sobre os seus  sentimentos.

Muito obrigada a todos os Barrados no Baile. 


ps.: Alguém viu o novo trailer de The Walking Dead e Em Chamas ? E eu confesso que achei super fofo o novo clipe da Demi Lovado.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Talvez ele não fosse tão a fim de você




"Cara, acontece. Muto mais do que você imagina, aliás. Namoros, casamentos, amizades, tudo isso termina o tempo todo. Devem ter umas cinco milhões de pessoas no mundo sofrendo pelo mesmo motivo, nesse exato momento. Imagina quanta gente está sendo xingada agora de canalha, cachorra, filho da puta e coisas do gênero. Pensa ... " Ele parou de falar no meio da frase porque meu choro deve tê-lo tirado de seu momentâneo devaneio.

"Não fica assim, cara, sério." Ele se curvou para o meu lado e acariciou minha cabeça. " Esse idiota merece mesmo que você chore tanto ?"

"Mas ele disse ..." eu tento, mas minhas palavras se confundem com os soluços ao tentarem sair da minha boca e a frase acaba se tornando uma mistura de gemido e choro. Bem bizarro.

"Respira... calma menina" ele diz quando caio no choro novamente. "Respira fundo e tenta colocar tudo em ordem na sua cabeça. Isso sempre me ajuda nos momentos ruins."


Eu faço o que ele diz e fico alguns minutos concentrada em reparar na sala ao nosso redor. Estamos sentados ombro a ombro na cama dele, que está bem desarrumada por sinal. A ventania lá fora faz parecer que o mundo está prestes a acabar e tem migalhas de pão espalhadas pela escrivaninha. Ai...droga. As lágrimas novamente.


"O quarto dele .... era cheio de ...porqueelemechamoupraalmoçarcomelese elenãoquerianadacomigo?" Eu solto de uma vez e paro um pouco só para pegar mais fôlego. " Porque ele vivia dizendo que pensava nas coisas que eu dizia, porque ele era tão legal comigo e agia como se eu fosse ...." e as lágrimas voltaram a cair. " Porque aquele filho da mãe ficava sorrindo pra mim e me olhando como se eu fosse a futura namorada dele e não como futura melhor amiga?"

Meu amigo me olha espantado. Provavelmente porque eu quase nunca digo palavrões, o que significa, pra ele, que a situação está feia. Por isso ele se ajeita e diz, todo sério.

"Você quer uma resposta certeira pra isso ? Pergunta pra ele. Liga pra ele agora e diz "Qual é a tua cara, querendo me fazer de boba ?" Agora se você quer a minha opinião..." eu o olhei, esperando enquanto ele ,com certeza, montava alguma frase bonita na sua cabeça. " Talvez ele seja gay, talvez esteja a fim de outra garota, talvez não queira começar nada agora porque sabe que vai se mudar em breve... Ou talvez... ele, simplesmente, não esteja a fim de você. Talvez ele já tenha sido, mas passou. " E ele fica me olhando fixamente, esperando que eu volte a molhar sua almofada verde com o meu choro.

Deve ter sido a primeira vez que alguém me dizia algo que realmente faz sentido. E é por isso que eu não volto a me descabelar. Só porque, talvez, não valha a pena. Eu não entendi nada errado, eu só entendi na época errada. E se passou, passou. 

Eu coloco a almofada no lugar e não consigo pensar em nada melhor para dizer e deixo no ar um
" Você tem razão".





domingo, 14 de julho de 2013

Desentediando as férias (parte I)


Ai Meu Deus, já faz duas semanas que estou de férias ( tá passando rápido demais, nãao). Tá certo que eu deveria estar morrendo de estudar pro vestibular no fim do ano mas, o cérebro de todo mundo precisa de um descanço de vez enquando. Tem gente que gosta de sair to-dos-os-dias nas férias. Eu sou mais chata, prefiro ficar em casa recompondo as energias. E isso é o que eu ando fazendo nas férias.

  • Lendo
Já li "A Culpa é das estrelas"; "Teorema Katherine" e estou lendo "Precisamos falar sobre Kevin". Acho que todos eles dispensam introduções. Se você não gosta de ler, talvez as férias seja uma boa época para começar.( porque um dia você vai precisar disso). Escolha um livro que tenha a ver com você e NUNCA vá pela cabeça dos outros. Você não é formado em letras, portanto, não é obrigado a ler apenas clássicos.

  • Cozinhando
Por exemplo, eu acabei de fazer panquecas para o café da manhã. No inverno a gente fica com mais fome que o normal e eu ando tendo umas " vontades de gordo ", sabe ( nada contra gordos). No Tudo Gostoso e no Pinterest, tem várias receitas legais. ( O último é em inglês). E também tem uns vídeos no youtube que são super divertidos sobre culinária como o Role Gourmet.

  • Colocando as séries em dia 
Época de escola eu, simplesmente, não tenho tempo e nem ânimo para baixar séries, então, eu deixo para assistir tudo nas férias. Eu já (ainda) estou na segunda temporada de Homeland e acabei de começar a quarta de Pretty Little Liars, e terminei semana passada Game of Thrones.

  • Colocando filmes em dia 
Depois que eu descobri o Mega Filmes, para ver filmes online, minha vida nunca mais foi a mesma (haha). Minha internet é extremamente lerda e baixar filme aqui é um sacrifício então eu começei a ver por esse site, e não é que ele é bom mesmo ? Já vi nessas férias " Projeto X", "Spring Breakers" , "Romeu + Julieta", "Nunca fui beijada" e "Part of Me : Katy Perry". E World War Z , nos cinemas ( nas férias eu não tenho saco para filmes cult).

  • Escutando música
Descobri o To the best of  em algum blog e me apaixonei. Você coloca o nome de qualquer banda e eles te dão as melhores músicas deles. Super prático .


  • Comendo em lugares diferentes

    Vamos deixar uma coisa bem clara : um terço da minha existência se baseia na alimentação. Minha cidade por ser pequena não tem tanta variedade assim de restaurantes mas, como a gente sempre costuma ir nos mesmos, é nas férias que eu tento variar. Tipo ir comer comida japonesa, tailandesa, ou até mesmo ir num café diferente, pelo qual eu sempre passei mas nunca entrei.

E vocês, o que andam fazendo nas férias ? E se quiserem minha opinião sobre os filmes, livros e séries citados é só pedir ai nos comentários. 

domingo, 7 de julho de 2013

Que num beijo se consomem


Pra ser sincero, eu me lembro muito pouco do dia em que nos conhecemos. Me lembro de estar bêbado demais e de como você não parava de gargalhar.  Eu tinha acabado de gastar quinze reais naquela festa que cheirava a cigarro e que parecia tocar incessantemente a mesma música. 

Mas que garota biruta, foi o que eu pensei quando te vi dançando freneticamente naquela pista minúscula. Você se jogava de um lado para o outro, acompanhada por dois garotos que se mexiam tanto quanto você. Eu me sentei num sofá meio desgastado e, não sei se pela proximidade das caixas de som ou se pelo tanto de álcool que já tinha ingerido, minha cabeça parecia explodir. Capotei. Então eu preferi pensar que nossa história começou no dia seguinte, quando acordei com um balde de água fria na cara, jogado por uma mulher meio irritada que gritava ordens aos quatro cantos. 

"Acorda, cara." Ela olhou pra mim com aqueles olhos pretos enormes, se virou para trás e soltou um "MAS QUE MERDA" quando um cara magrelo vomitou no chão. Eu não pude deixar de pensar em como a garota da dança eclética da noite passada tinha se transformado na mulher mandona e organizada da manhã seguinte. Eu sei que é loucura, completa insanidade da minha mente pós-ressaca, mas foi aí que eu me apaixonei. 

Foi tudo tão rápido. Eu estava ajudando-os a catar os copos espalhados pela casa e ficava virando minha cabeça para todos os lados, tentando encontrá-la. Pensando em alguma forma de começar uma conversa, mas meus cérebro doía e minha bexigada parecia mais uma torneira desenfreada. E se ela for daquelas garotas românticas que preferem declarações melosas feitas no momento certo ? E se ela tiver namorado ou for casada, ou estiver noiva ? E se ela for lésbica ?  

Então, você me olhou de longe, sorriu e soltou uma gargalhada. E eu não pude evitar de fazer o mesmo. Devemos ter se passado uns dez minutos  naquele jogo . De repente, você estava tão perto que eu conseguia ver minha cara de espanto refletida em seus olhos. 

“Este amor em botão, depois de amadurecer com o hálito do verão, pode se mostrar uma bela flor quando nos encontrarmos novamente, Oh Romeu”* você disse, me fazendo rir com a perspectiva de que você talvez fosse uma daquelas estudantes loucas e obcecadas que recitam versos de poemas como parte de um vocabulário próprio e então, você beijou.

*Romeu e Julieta, Shakespeare